História, conexões e oportunidades: Ribeirão Preto e o Centro de Empresarial de Engenharia

Além de muita ciência gerada nas universidades e centros de pesquisa e da tecnologia e inovação incorporado no dia a dia das pessoas por incubadoras, parque de tecnologia e empresas, a cidade também tem muita história. Dentre os vários patrimônios que nos orgulham como estádios, catedrais, teatros, museus e praças está a Estação Barracão.

Inaugurada em primeiro de junho de 1900, Estação Barracão completa 120 em 2020 anos. Tombada desde 1982 pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, a Estação Barracão foi ponto de encontro de imigrantes que chegavam na cidade. Os nomes dos bairros Campos Elísios e Ipiranga, alguns dos bairros mais antigos e importantes da cidade, tem relação direta com a Estação Barracão. A Estação Barracão foi uma das primeiras a serem construídas na região, no período de 1870 a 1890. Ela fez parte da linha da Companhia Mogiana com objetivo de apoiar a expansão do setor do café que necessitava de transporte mais rápido para escoar a produção. Desde a sua construção até operação Barracão foi um exemplo de integração de engenharias.

É com esse espirito de conectar, agregar, promover o fluxo de informação e tecnologias, que foi criado Centro Empresarial de Engenharia Multidisciplinar da Região Metropolitana. Com soluções inovadoras e criativas das engenharias, proposta do CEE-RP é integrar biossistemas urbanos e agrícolas.

Ribeirão Preto é referência na Região Metropolitana. No mapa da economia paulista a cidade assume papeis importantes em setores estratégicos com potenciais regionais. De acordo com Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços de cada 10 exportações do Estado de São Paulo em 2016 por indústrias de média e alta tecnologia, cerca de 3 exportações vieram da região de Ribeirão Preto.

Com uma economia diversificada a partir da cadeia industrial do agronegócio, os investimentos anunciados nos principais setores da região de Ribeirão Preto (alimentos, biocombustíveis, químico, máquinas e equipamentos, papel e celulose) entre 2010-2017 foram de US$ 534,70 milhões (indústria) e US$ 1,05 bilhão (serviços), segundo Fundação Seade/Piesp.

Respeito pela história de Ribeirão Preto, espirito empreendedor, vontade de conectar, superar desafios e promover a inovação na cidade e região, esse é o CEE-RP. Queremos ajudar pessoas e instituições nesse novo cenário mundial.

Deixe uma resposta